salO sal “comum”, de cozinha, que se encontra nos supermercados (e também na maioria dos alimentos processados industrialmente) é o cloreto de sódio.

O sal marinho não refinado, em seu estado bruto é repleto de minerais e iodo no estado orgânico (I2), melhor assimilável pela glândula tireóide. 

O sal bom tem seus benefícios:

  • sal é composto por cloreto de sódio e iodeto de potássio, entre outros componentes que auxiliam na transmissão de impulsos nervosos e na contração muscular
  • Auxilia na manutenção do equilíbrio hídrico e o funcionamento regular das células
  • Excelente conservante dos alimentos, pois a sua presença inibe o crescimento bacteriano

Qual a diferença do sal marinho para o sal “comum”?

O sal do mar, ou sal marinho é seco naturalmente, ao sol. Não passa por nenhum processo e contém quantidades microscópicas de vida marinha e claro, iodo natural.

E o sal comum passou por processamento em altas temperaturas, sofreu alterações em sua estrutura molecular original e sofreu a remoção de minerais vitais da sua composição (”refinamento”). O sal comum contém uma série de aditivos, agentes “anti-caking”, antiumectantes, e até açúcar! Seu consumo excessivo está associado à hipertensão arterial, retenção de líquido, doenças cardiovasculares e renais.

industrE os produtos Industrializados?

Quando falamos de sal e lembramos logo de produtos especializados… o que vem a cabeça é que eles sao cheios de conservantes e sal, sódio!! …  devemos sim nos concentrar em evitar o uso de alimentos industrializados (aqueles que já vêm “prontos”, em caixinha, vidrinho ou latinha). Na natureza, a maioria dos alimentos possui uma proporção maior de potássio que sódio. Essa proporção pode chegar até 10 partes de potássio para uma de sódio (a título de curiosidade, a beterraba in natura possui uma proporção, em média, de 4 partes de potássio para uma de sódio; a carne in natura, cerca de 5:1, o fígado bovino in natura, cerca de 6:1 – partes de potássio:sódio). Para a indústria tranformar uma série de alimentos em sopas e outros produtos enlatados, ela primeiro desidrata esses alimentos. Com a desidratação, vai-se embora a água, e também quase todo o sódio e potássio.

Esse alimento, agora desidratado, é mais propício ao armazenamento e distribuição, porém ao ser reidratado para o processamento final, fica absolutamente desprovido de sabor – a não ser que se acrescente, neste momento, sal. Bem, nessa hora, a proporção potássio:sódio se inverte: esses alimentos passam a ter até 200 partes de sódio, para 1 de potássio. É claro que, em condições assim, não há equilíbrio hidroeletrolítico que agüente!

Por que a industria usa?

  •  Possui a capacidade de “engrossar” sopas.
  •  Aumenta a sensação de sabor doce em produtos como refrigerantes, biscoitos e bolos.
  • Ajuda a disfarçar qualquer tipo de sabor metálico ou retrogosto de produto químico em produtos como refrigerantes.
  • Diminui o ressecamento de certos produtos de confeitaria.
  • O sal age como conservante e aumenta a validade do produto.

       Tudo o que é em excesso faz mal, e o sal não é exceção!

Voce sabia que o organismo demora em média 24h para expelir o excesso de sal após uma alimentação muito salgada?

Uma alimentação praticamente isenta de produtos industrializados e uma comida temperada com sal modeerado, de forma controlada ( tirando em casos de doenças)  entendo que não trará prejuízos à saúde. Mas use sal com moderação!!

De acordo com o Guia Alimentar da População Brasileira e a Organização Mundial da Saúde, o consumo máximo de sal por dia não deve ultrapassar 5g, o que equivale à 2000mg de sódio / dia.

Quais são as consequências de quem utiliza acima da quantidade recomendada?

Hoje é de conhecimento que, em populações que consomem muito sal, os índices de hipertensão são mais altos à medida que as pessoas envelhecem. Logo, uma das maiores consequências do consumo abusivo de sal em longo prazo é a hipertensão arterial e consequentemente aumento do risco de doenças cardiovasculares. Em curto prazo, a retenção de líquidos e sensação de inchaço é algo visto a olho nu.

Como podemos analisar os produtos nos rótulos dos alimentos para verificar se a quantidade do sal está acima do permitido?

A informação nutricional, sobre a quantidade de sódio na embalagem dos produtos alimentícios, é obrigatória. Se a quantidade de sódio for superior a 400mg em 100g do alimento, este é considerado um alimento rico em sódio, sendo prejudicial à saúde, devendo ser evitado.

 

Anúncios